A vacinação é a forma mais segura e eficaz de travar a transmissão das doenças infeciosas para as quais existe uma vacina, contribuindo, não só, para a proteção do indivíduo assim imunizado, como também dos que o rodeiam – em suma, da População. Deste modo, a vacinação salva milhões de vidas todos os anos, atuando nos seguintes eixos:

  • Prevenção da infeção;
  • Prevenção da doença sintomática (regra geral, os indivíduos vacinados têm menos tendência para desenvolver sintomatologia);
  • Proteção a longo prazo (para as vacinas que conferem imunidade duradoura).

Prevê-se que as vacinas contra a COVID-19 tenham um papel preponderante na prevenção da infeção e da doença sintomática, mas ainda não há conhecimento suficiente sobre o papel que desempenham na transmissão a nível comunitário ou sobre a duração da imunidade que conferem, pelo que não é certo que todos estes mecanismos se verifiquem no caso da COVID-19.

No entanto, importa reforçar que mesmo com o que se desconhece ainda sobre estas vacinas, elas estarão na base da contenção da pandemia, dando um suporte importante aos sistemas de saúde e permitindo o progressivo restabelecimento da vida em sociedade.

Na imunidade natural, por norma, a resposta varia muito de indivíduo para indivíduo, entre grupos de risco… Ao contrário do que acontece com a imunidade natural, a resposta à vacina é muito homogénea, forte e rápida.

A resposta imunitária natural decresce, e ao fim de 4 meses os anticorpos já não são capazes de anular o vírus. Na vacina há uma resposta eficaz  pela produção de anticorpos e linfócitos de memória, o que faz com que na presença do antígene, ocorra uma resposta mais rápida, em vez de 7 a 9 dias (tempo estimado para produção de anticorpos no processo natural).

Em suma, a vacinação é um ato essencial para a saúde de todos e, em contexto de pandemia, a vacinação terá um papel ainda mais importante. Fique a par do que se sabe, à data, sobre as vacinas contra a COVID-19.

É SEGURO LEVAR A VACINA CONTRA A COVID-19? 

Sim, cada vacina que chegue ao mercado, em Portugal, foi estudada por grupos de trabalho próprios e especialistas no tema. Todos os requisitos para a segurança e eficácia da vacina foram cumpridos. Caso contrário a vacina não seria aprovada. Portanto, é seguro apanhar a vacina contra a covid-19.

DIZ-SE QUE AS PRIMEIRAS VACINAS DE mRNA NUNCA FORAM USADAS. SÃO SEGURAS? 

Embora estas sejam as primeiras vacinas aprovadas com esta tecnologia, as vacinas de mRNA têm sido estudadas nos últimos 15 anos, sendo consideradas seguras. O mRNA da vacina não permanece no organismo – é decomposto pouco tempo após a administração da mesma. 

QUAIS AS VACINAS APROVADAS EM PORTUGAL?

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) abriu portas, até à data, a 3 vacinas para prevenção da COVID-19 na União Europeia – Comirnaty®, desenvolvida pelos laboratórios BioNTech e Pfizer;  – COVID-19 Vaccine Moderna®, desenvolvida pelos laboratórios Moderna; – COVID-19 Vaccine AstraZeneca®. Saiba mais sobre estas vacinas:

  • A Comirnaty® é uma vacina de RNA mensageiro (mRNA). Está indicada na prevenção da COVID-19 em pessoas com idade igual ou superior a 16 anos. A vacina é gratuita e fortemente recomendada, sendo essencial para controlar a pandemia de COVID-19. É administrada em 2 doses, com um intervalo de 21 dias. 

REAÇÕES ADVERSAS – Todos os medicamentos podem ter efeitos adversos e estas vacinas não são exceção. As reações adversas às vacinas são, geralmente, ligeiras e desaparecem alguns dias após a vacinação. Podem incluir febre, dor ou inchaço no local da injeção, cansaço, dor de cabeça, dores musculares e nas articulações, sinal de que o nosso sistema imunitário está a criar defesas contra esta doença. A monitorização das reações adversas é essencial – se suspeita de alguma reação adversa (descrita ou não acima), reporte-a no Portal RAM do INFARMED – peça ajuda ao seu farmacêutico. Se tiver alguma questão fale connosco.

  • A COVID-19 Vaccine Moderna® é uma vacina de RNA mensageiro (mRNA), gratuita e fortemente recomendada. Está indicada na prevenção da COVID-19 em pessoas com idade igual ou superior a 18 anos. A vacina é administrada em 2 doses, com um intervalo de 28 dias, sendo um contributo essencial para controlar a pandemia de COVID-19.

REAÇÕES ADVERSAS
As reações adversas às vacinas são, geralmente, ligeiras e desaparecem alguns dias após a vacinação. Podem incluir dor ou inchaço no local da injeção, cansaço, calafrios, febre, inchaço ou aumento da sensibilidade dos gânglios linfáticos das axilas, dor de cabeça, dores musculares e das articulações, náuseas e vómitos.
A monitorização das reações adversas é essencial – se suspeita de alguma reação adversa (descrita ou não acima), reporte-a no Portal RAM do INFARMED. Peça ajuda ao seu farmacêutico. Se tiver alguma questão fale connosco.

  • A COVID-19 Vaccine AstraZeneca® é uma vacina de vetor viral não-replicativo, isto é, usa um vírus, diferente do SARS-CoV-2 (responsável pela COVID19) como transporte de informação para a produção de uma proteína do SARS-CoV-2 que desencadeia a resposta do nosso sistema imunitário. Este vírus está enfraquecido, de forma a ser incapaz de se multiplicar no nosso organismo. Esta vacina, tal como as restantes contra a COVID-19, é gratuita e fortemente recomendada. Está indicada na prevenção da COVID-19 em pessoas com idade igual ou superior a 18 anos. A vacina é administrada em 2 doses, com um intervalo de 28 a 84 dias (4 a 12 semanas), sendo mais um contributo essencial para controlar a pandemia de COVID-19. ESTA VACINA É SEGURA? Sim. Uma vacina só é utilizada quando demonstra ter qualidade, eficácia e segurança. A COVID-19 Vaccine AstraZeneca® tem por base uma tecnologia bastante estudada e já aplicada em vacinas anteriores: a utilização de um vírus enfraquecido em laboratório.

REAÇÕES ADVERSAS
As reações adversas às vacinas são, geralmente, ligeiras e desaparecem alguns dias após a vacinação. Podem incluir sensibilidade ou dor no local da injeção, dor de cabeça, cansaço, dores musculares, mal-estar geral, febre, calafrios, dores nas articulações e/ou náuseas. A monitorização das reações adversas é essencial – se suspeita de alguma reação adversa (descrita ou não acima), reporte-a no Portal RAM do INFARMED. Peça ajuda ao seu farmacêutico. Se tiver alguma questão fale connosco.

Nas notícias referem que pode haver efeitos adversos graves – é verdade? 

Como em qualquer medicamento, algumas pessoas podem ter reações adversas mais graves, sendo que isto é uma característica do indivíduo e não da vacina. Se costuma fazer reações mais intensas a outras vacinas deve informar o seu médico e o profissional de saúde que lhe administrar a vacina. 

SE LEVAR A VACINA POSSO FICAR COM COVID-19? 

Não. Ao ser administrada, qualquer vacina, deve causar uma resposta do sistema imunitário dirigida contra um agente infecioso em particular. Desta forma é criada imunidade (proteção) contra uma determinada doença. As vacinas têm uma função de prevenção, não causam doença! Esta vacina não contém o próprio vírus, pelo que não causa COVID-19.

OS ENSAIOS CLÍNICOS FORAM FEITOS EM POUCAS PESSOAS, COMPROMETENDO A SEGURANÇA? 

Não – as primeiras vacinas a chegar ao mercado foram testadas em aproximadamente 30 000 pessoas.

A eficácia da vacina Comirnaty®  foi estudada em cerca de 44 mil pessoas a partir dos 16 anos de idade (incluindo pessoas com mais de 75 anos), tendo demonstrado redução de 95% do número de pessoas com sintomas da doença.

A eficácia da vacina COVID-19 Vaccine Moderna® foi estudada em cerca de 28 mil pessoas a partir dos 18 anos de idade (incluindo pessoas com mais de 75 anos), tendo demonstrado redução de 94,1% do número de pessoas com sintomas da doença.

A COVID-19 Vaccine AstraZeneca® foi estudada em cerca de 10 mil pessoas a partir dos 18 anos de idade, tendo demonstrado uma eficácia de cerca de 60%.

COMO FOI POSSÍVEL DESENVOLVER VACINAS TÃO RAPIDAMENTE? 

Embora a COVID-19 seja uma doença recente, os coronavírus não o são, o que permitiu identificar, rapidamente, algumas vacinas que poderiam ter bons resultados. Houve ainda uma partilha quase total da informação entre os diferentes grupos de investigadores. Todos os passos necessários para garantir a segurança e a eficácia desta vacina foram dados, tendo existido análise dos dados obtidos após cada fase de ensaios em vez de serem analisados todos os dados apenas no final do processo, permitindo encurtar o tempo necessário até à aprovação.

Na verdade nas outras vacinas a produção é idêntica mas toda a burocracia envolvente e que faz com que demore anos até à sua comercialização. 

DEVO TER ALGUM CUIDADO ANTES DE SER VACINADO? 

Sim. Se estiver com febre, tosse, dificuldade respiratória ou alterações do olfato e/ou paladar não deve ser vacinado. Contacte o SNS 24 (808 24 24 24). 

Se estiver em isolamento profilático também não deve ser vacinado. Informe, ainda, os profissionais de saúde se já tiver tido uma reação anafilática a outros medicamentos ou alimentos.

OK, ENTÃO LEVO A VACINA – E AGORA? 

Prevê-se que as vacinas contra a COVID-19 tenham um papel essencial na prevenção da infeção e da doença com sintomas, mas ainda não se têm certezas acerca do papel que vão ter na imunidade de grupo, nem na duração da imunidade resultante da vacinação. Assim, importa, manter as medidas de prevenção: 

  1. Distanciamento social;
  2. Utilização de máscara sempre que não seja possível este distanciamento, e em espaços públicos fechados ou mal ventilados; 
  3. Lavar ou desinfetar frequentemente e de forma correta as mãos; 
  4. Medidas de etiqueta respiratória: ao espirrar e/ou tossir, cobrir o nariz e/ou boca com um lenço de papel, que deverá ser colocado no lixo, ou, em alternativa, com o antebraço – nunca com as mãos.

As mutações deste vírus não são severas, pelo que a vacina neutraliza as diversas mutações. Não se sabe, ainda, quanto tempo adquirimos imunidade. Contudo, a administração de 2 doses visa treinar o sistema imunitário para fornecer uma resposta mais rápida e eficaz contra o vírus. 

Resumindo: não neguem à partida  uma vacina que desconhecem. Cada um de nós tem direito a ter a sua opinião, mas salientamos que esta só é válida se for uma opinião devidamente informada através de fontes credíveis, e não com base no que se ouve em notícias nos telejornais ou nas redes sociais. 

Criem anticorpos ao vírus, não à vacina 😉 e lembre-se, quando nos vacinamos com a vacina do covid-19 estamos a pensar em nós mas sobretudo nos outros!!

 

Informação baseada no Cedime Informa n⁰191, Dezembro 2020
Atualizada a 03/02/2021