Acha que a Secura Vaginal é apenas um sintoma que afeta as mulheres na menopausa? 

Não, as mulheres mais jovens também podem ter esta queixa, o que as impede de ter uma vida sexual satisfatória.

Muitas vezes, a secura vaginal está relacionada com outros problemas de saúde ou eventualmente alterações no dia-a-dia que incorrem em alterações do foro psicológico como o stress e/ou a ansiedade, alterações hormonais, a toma de determinados medicamentos como antidepressivos que alteram a lubrificação natural da mulher…

As alterações vaginais são normalmente provocadas:

  • Pela utilização de um cuidado íntimo inadequado. A higiene íntima deve ser feita com cuidados específicos para ajudar a manter o pH vaginal. O uso de gel de banho é desaconselhado; 
  • A toma de antibióticos;
  • Pela presença de sémen, o esperma tem um pH básico; 
  • Pela presença de um corpo estranho, p.e. tampão;
  • Maternidade;
  • Menstruação;
  • Menopausa; 

As consequências físicas destas alterações como o odor, a comichão, a irritação, a dor durante o ato sexual, as infeções .. Podem desencadear alterações emocionais como alterações no estado de espírito da mulher, diminuição da produtividade durante o dia, diminuição do nível de confiança e da líbido que consequentemente levam a recusa de relações sexuais.

Sabia que 75% das mulheres sofrem de uma infeção vaginal durante a sua vida? e que em 50% dos casos há recorrência? Sabia que 84% das mulheres com menos de 35 anos já sofreram de um problema/infeção vaginal?

Está na hora de alterar os seus hábitos para que não faça parte destes números! Vamos manter um ambiente vaginal saudável que a vai proteger das infeções vaginais?

Dois pontos a ter em conta: a lubrificação natural e o pH da vaginal. A lubrificação é muito importante porque diminui a secura vaginal e a dor nas relações sexuais, pelo que contribui para uma função sexual satisfatória. O pH vaginal está diretamente ligado à flora. Os Lactobacillus produzem ácido láctico mantendo um pH vaginal ácido que previne a proliferação de organismos patogénicos e diminui o risco de vaginites.

Uma lubrificação natural normal e um pH vaginal equilibrado é também sinónimo de uma vida sexual plena e sem desconforto, de uma boa autoestima e confiança. 

 

Cuidados a ter no sentido de alívio dos sintomas e preservar a função sexual: 

  • Evitar o uso de agentes de limpeza que alteram o pH vaginal, por isso deve optar pelo uso de um cuidado de higiene íntima específico. ⚠️ pH fisiológico – sempre abaixo dos 5,2, hipoalergénico, com ativos adstringentes suaves e que não alterem a barreira lipídica (evitar dermatites). Duche é preferencial a banhos 🛀 (tanto de imersão como de assento, que provocam maior secura e remoção da função barreira da pele) ⛔️ irrigações vaginais; Frequência: variável entre 1 a 3 vezes por dia; Tempo de higienização genital 2 a 3 minutos no máximo. 
  • Evitar o uso de produtos irritantes de contato como por exemplo os tecidos sintéticos da roupa íntima, ou pensos diários (a nossa pele precisa de respirar, não tenha medo de “sujar” a cueca. Ter secreções vaginais é normal. Esteja atenta apenas às alterações que podem ocorrer.)
  • Uso de lubrificantes e hidratantes, em qualquer idade. O objetivo é preservar a elasticidade dos tecidos, a lubrificação e a fisiologia vaginal, reduzindo o atrito e fricção durante o ato sexual. Sem hormonas, estes produtos, por norma, não possuem efeitos colaterais sistémicos. ⚠️ composição (evitar perfumes) para evitar efeitos secundários locais como ardor ou irritação após aplicação. ⚠️ pH e osmolaridade, que devem ser fisiologicamente semelhantes às secreções vaginais: pH ácido e osmolaridade baixa. 
    •  * Lubrificantes: aplicados dentro da vagina e/ou no pénis ou dedos do parceiro imediatamente antes do ato sexual, reduzem o atrito e o desconforto causado pela secura durante as relações sexuais. Apresentam-se com algumas variedades e formulações (aquosos – não mancham, à base de silicone, oleosos, com sabores variados, sensações – calor…) para, também, apimentar o ato sexual. 
    • * Hidratantes: aplicados na vagina 2 a 3 vezes por semana, dependendo do grau de secura, para permitir um efeito hidratante contínuo. Estes produtos são formulados para que os tecidos retenham a humidade de maneira mais eficaz. Para mulheres ativas ou não sexualmente, que sentem alguma secura vaginal que interferem com o seu dia a dia, por exemplo a prática de exercício físico ou mesmo o próprio sentar. 

Os principais sintomas associados a problemas vaginais na mulher são a secura vaginal, ardor e irritação, prurido, corrimento vaginal alterado e dor, dispareunia, hemorragia após ato sexual e sintomas urinários e/ou infeções urinárias recorrentes. Identifica algum destes sintomas? Já tem todos os cuidados que mencionamos acima? Fale com o seu médico ou farmacêutico para obter o melhor aconselhamento para o seu caso.